“Não sei quando vou ter minha filha de volta”: Pai de refém do Hamas relata tragédia

  • 01/02/2024
“Não sei quando vou ter minha filha de volta”: Pai de refém do Hamas relata tragédia
“Não sei quando vou ter minha filha de volta”: Pai de refém do Hamas relata tragédia (Foto: Reprodução)

Shlomi Berger é um pai israelense que tem vivido dias de angústia desde o ataque do grupo terrorista Hamas em Israel.

Sua filha, Agam Berger, de 19 anos, foi sequestrada pelos terroristas, junto com outras centenas de mulheres e crianças, e mantida refém nos túneis do Hamas na Faixa de Gaza.

Em entrevista exclusiva ao Guiame, Shlomi contou como tudo aconteceu no trágico dia 7 de outubro do ano passado.

O israelense disse que estava em casa em Holon, uma cidade perto de Tel Aviv. Ele e a família acordaram na manhã daquele sábado com o som das sirenes.

“Iniciou por volta das 6h30 da manhã, quando ouvimos as sirenes. E depois vieram os foguetes. Metade de Israel foi atingida por foguetes. Nós entramos em uma sala segura em nossa casa”, disse Shlomi.

Neste momento, eles receberam uma ligação de Agam, que estava no kibutz de Nahal Oz. “Ela disse: “Eu estou em um abrigo e tem foguetes aqui. Estou na parte de dentro, eu não sei o que está acontecendo lá fora”, relatou o pai.

(Foto: Reprodução)
Shlomi Berger com sua esposa e filhos. (Foto: Arquivo pessoal).

Segundo ele, no início, a família não se preocupou porque estão estão acostumados a viver em meio ao conflito.

“Sempre há uma tensão entre Israel e vizinhos e os palestinos do Hamas, que estão dentro de Gaza”, comentou. “Então, eu pensei: ‘Ok, isso vai parar e vamos conversar depois’”.

Depois de meia hora, as sirenes cessaram, a família saiu do abrigo e Shlomi ligou a TV para saber o que estava acontecendo no país.

Última conversa com a filha

Por volta das 7h45 da manhã, houve outro ataque de foguetes e eles voltaram para a sala segura. Lá dentro, os pais receberam mais uma ligação da filha.

“Não era o telefone dela, era um outro número. E minha filha disse: ‘Pai, há bombas aqui, estou ouvindo tiros, gritos, coisas explodindo’. E então o telefone desligou. Isso durou cerca de 5 ou 7 segundos”, contou Shlomi.

“E essa foi a última vez que conversamos com a Agam. A gente não sabia o que tinha acontecido. Foi um grande caos em Israel naquele dia. Acho que ninguém imaginava o que estava acontecendo”.

(Foto: Reprodução)
Agam, de 19 anos, foi raptada no ataque de 7 de outubro em Israel. (Foto: Arquivo pessoal).

Nos horas seguintes, o pai não conseguiu contato com a filha e ninguém tinha informações sobre ela. 

“Falei com os pais de outras moças que estavam lá junto com a Agam. Ninguém sabia nada, ninguém tinha uma resposta”, observou o israelense.

Agam em vídeo do Hamas

Até que no domingo, 8 de outubro, um dos pais das jovens recebeu um vídeo, publicado pelo Hamas no Telegram, e enviou para Shlomi.

“Eu abri o vídeo e fiquei em choque, porque eu reconheci minha menina. Ela estava sentada perto de outra menina. A outra garota que eu vi, estava gravemente ferida”, revelou.

“É loucura para mim, dizer que eu fiquei feliz naquele momento de ver minha filha viva e sequestrada pelo Hamas. E ela não estava morta. Isso é uma loucura”, desabafou o pai.

Agam Berger, 19, Liri Elbag 18, Daniela Gilboa 19, Karina Ariev 19. All these girls are held captive for 3 months by Palestinians terrorists from Gaza, the monsters of Hamas. Look at them. pic.twitter.com/zits6cP9a6

— Gueber Barzelai ✡ 🇮🇱🇷🇺🇻🇪🇺🇸 (@GueberB) February 1, 2024

Dias depois, o governo israelense confirmou que Agam estava entre os reféns levados pelos terroristas islâmicos. 

Em novembro de 2023, o Hamas começou a libertar mulheres e crianças, após um acordo com Israel. Porém, Agam não foi libertada.

A última vez que a família teve notícias da jovem foi através de uma refém libertada em 26 de novembro — dia do aniversário de Shlomi. A refém disse que Agam estava bem e que pediu para mandar um Feliz Aniversário para o pai.

“Essa foi a última vez que soubemos algo sobre a Agam. Agora já fazem 107 dias [desde o sequestro] e eu não sei quando vou ter minha filha de volta. Hoje não sabemos de nada. Nós sabemos que ela estava nos túneis”, lamentou o pai.

“Espero que minha filha esteja viva”

(Foto: Reprodução)
Agam toca violino desde os 6 anos de idade. (Foto: Arquivo pessoal).

De acordo com ele, a família vive angustiada à espera do retorno de Agam, que tem uma irmã gêmea, outra irmã de quase 18 anos e um irmão de 12. 

“Para nós isso é um tipo de tortura. Espero que a minha filha esteja viva”, afirmou Shlomi. 

“Outras mulheres que foram libertadas disseram que meninas foram abusadas sexualmente. Eu tenho medo que essas coisas tenham acontecido também com a Agam. Ela pode estar grávida. Pelo amor de Deus, ela pode estar grávida! Uma jovem garota de 19 anos. Então, estamos passando dias muito difíceis”, confessou.

O israelense contou que a filha é voluntária em um projeto social com crianças carentes e gosta de tocar violino desde os 6 anos de idade.

“O violino é o que nós chamamos de instrumento judaico. Porque na cultura judaica, o violino é um grande símbolo. Para mim é um símbolo de esperança”, explicou.

(Foto: Reprodução)
Agam (a última na segunda foto) com seus irmãos. (Foto: Arquivo pessoal).

Imagem distorcida de Israel na imprensa

Comentando sobre os conflitos entre israelenses e palestinos, Shlomi ressaltou que Israel já ofereceu acordos de paz, mas que não foram aceitos. “Israel estendeu as mãos e sugeriu paz, mas o outro lado infelizmente não quer”, explicou.

“Nós demos territórios para os palestinos. Eles têm seu próprio governo, suas regiões, nós não interferimos neles. Mas para eles isso não é o suficiente. E eu acho que na mente deles, só querem eliminar Israel e matar o povo judeu. Então, precisamos nos defender. Todo mundo na nossa situação iria lidar da mesma forma”, destacou.

Shlomi também criticou a imagem distorcida de Israel apresentada pela imprensa internacional.

“As pessoas não estão aqui, estão vendo na mídia. Os palestinos fizeram o que chamo de propaganda, porque nós vimos muitas vezes que eles falsificaram situações e venderam para o mundo. E o mundo pensa: ‘Espera um minuto, Israel é forte e os palestinos são os fracos’”, denunciou. 

“O Holocausto voltou”

E garantiu: “Israel é a nossa casa. Nós estamos aqui, o povo judeu, e não vamos para lugar nenhum. Nós não temos nenhum lugar para ir e não vamos para lugar algum”.

Para ele, o mundo precisa saber o que realmente acontece no conflito Israel-Palestina. 

“Se todos souberem a verdadeira história e não acreditar em todas as fake news que veem nas redes sociais, então eles realmente vão entender a verdadeira situação”, defendeu.

Shlmoi descreveu a guerra atual entre Israel e o Hamas como um verdadeiro Holocausto. "Todo mundo precisa saber o que está acontecendo aqui. São coisas horríveis. Para nós, isso é um Holocausto. O Holocausto voltou, é a mesma coisa”, concluiu ele.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/israel/nao-sei-quando-vou-ter-minha-filha-de-volta-pai-de-refem-do-hamas-relata-tragedia.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Raridade

Anderson Freire

top2
2. Advogado Fiel

Bruna Karla

top3
3. Casa do pai

Aline Barros

top4
4. Acalma o meu coração

Anderson Freire

top5
5. Ressuscita-me

Aline Barros

Anunciantes